‎ ∙ 44,026 views

'Estádio de Exceção': Na véspera da Copa Ativistas são detidos no Rio de Janeiro.

45,522Article Views
7Articles
7Followers

A ativista Elisa Quadros, conhecida como Sininho, nas ruas do Rio de Janeiro. Foto: Yussef Kalume / MIC - Mídia Independente Coletiva

Literalmente na véspera do início da Copa Do Mundo, o Estado se antecipa e prende por "futuros crimes" numa tentativa de intimidar manifestantes.

A Polícia Cívil do Rio de Janeiro acaba de executar uma série de detenções. Na manhã de hoje as ativistas Elisa Quadros (conhecida como Sininho), a advogada Eloisa Samy e o cinegrafista Thiago Rocha, foram presos em casa , e estão sendo levados para investigação na DRCI - Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática. Na última semana em Goiânia, mandatos de busca e apreensão ja haviam sido utilizados como forma de cerceamento ao direito de manifestação e tática de coerção contra a parcela da população que pretende manifestar suas indignações durante o evento da FIFA.

Nos sete anos que se passaram desde o anúncio da Copa no Brasil, a falta de diálogo com a sociedade civil, a submissão as leis impostas pela FIFA, as remoções, os altos custos e o genocídio nas periferias, parecem ser os resultados práticos que mais atingem a população.

Em um contexto onde diversos movimentos estão dispostos a alargar as possibilidades da nossa democracia, o governo se submete aos interesses das corporações que lucram com a Copa e acaba promovendo situações que evocam as memórias mais sombrias do tempo em que vivemos sob uma ditadura.

A Mídia Ninja repudia qualquer forma de veto a liberdade de expressão e ao direito constitucional de manifestação. Já estamos em campo acompanhando os ativistas em voltaremos em breve com mais informações.

More articles suggested for you

No Rio de Janeiro, favela ao lado do Maracanã sofre com remoções em nome das Olimpíadas de 2016
Fogo Na Bomba!!! ANVISA adia decisão sobre importação do CBD e acende o alerta cannabico.
Brasil: Obras do Banco Mundial deixam comunidades do sertão do Ceará sem água potável (parte 1)
Brasil será julgado na Corte Interamericana de Direitos Humanos por um caso de violência policial